Antevisão (SINCERA) da nova época de Fórmula 1

Tudo o que vocês precisam de saber para o arranque da nova temporada já hoje à noite de uma forma sincera, sem filtro e sem o empecilho do politicamente correto!

Comecemos pelo fundo da tabela. A Williams, agora chamada de Rokit Williams F1 Team (lê-se “rocket”, que significa foguetão) parece que está num bom caminho para se despenhar. Já não bastava o seu carro ter chegado tarde e sido bastante lento nos testes, como agora se veio a saber que os espelhos e uma peça da suspensão dianteira eram ilegais. As cabeças começaram a rolar e o primeiro a ser “despedido” foi o diretor técnico Paddy Lowe, com a Claire Williams a atirar as culpas para toda a gente e para ninguém ao mesmo tempo. Para ajudar à festa, a dupla de pilotos é composta pelo novato George Russel e pelo Robert Kubica, que continua com nítidas incapacidades físicas para conduzir um carro que já de si não é fácil de conduzir. Prevê-se que a Williams vá ser uma chicane com rodas.

imagens F1.com

Em penúltimo lugar na época passada ficou a Toro Rosso, que com os motores Honda (ainda!) em fase experimental serviu de banco de testes para a Red Bull este ano poder usufruir de um bom motor Honda. A Toro Rosso é a grande incógnita este ano pois tudo vai depender do motor Honda e se os desenhos arrojados dos italianos vão ser bons ou não para lutar com o resto do pelotão. Mas se a Williams tem um foguetão, a Toro Rosso tem o regresso do “Torpedo” Daniil Kvyat. Depois de ter sido despedido duas vezes e ter ido trabalhar para o simulador da Ferrari, volta agora à Toro Rosso porque não havia mais ninguém para o lugar. Ao lado dele vai estar aquela que é uma das grandes promessas para este ano – Alexander Albon. Um moço com muito talento que inexplicavelmente tinha sido despachado do programa Red Bull. Uma equipa de pilotos que haviam sido despedidos!

imagens F1.com

Quem se prevê que vai andar a lutar com a Toro Rosso é a McLaren, que com a política do seu líder americano Zak Brown, que prometeu fazer da McLaren grandiosa outra vez, está a ter o mesmo sucesso do seu conterrâneo Donald Trump. Não fosse no ano passado o Fernando Alonso sacar alguns coelhos da cartola, a McLaren tinha andado pelo fundo da tabela. Este ano com o Carlos Sainz e o novato Lando Norris ninguém sabe muito bem no que vai dar, mas tudo aponta a que andem a lutar pelos pontos, com sorte.

imagens F1.com

Outra incógnita é a Force India Racing Point Sport Peso Racing .
Explicação do nome: depois de o dono da equipa, Vijay Mallya, ter ido preso por causa de fraudes com a sua companhia aérea Kingfisher, a equipa entrou em execução, foi comprada pelo magnata Lawrence S. Stroll e teve que mudar de nome. Racing Point foi o nome escolhido até arranjarem um patrocinador principal e aí poder passar a chamar-se o nome do patrocinador + racing + um ponto final.

Claro que se o papá compra uma equipa, vai pôr o filhote lá a correr. E assim foi, com Lance Stroll a juntar-se a Sergio Perez numa equipa que apareceu nos testes com uma evolução do carro do ano passado. Falta saber é se o Sergio Perez vai ter coragem de se espetar contra o filho do patrão como fazia no ano passado com o Sebastian Ocon, que parece já ter lugar assegurado na Mercedes em 2020. Sendo esta equipa conhecida por fazer muito com pouco, acredita-se que um bom carro possa estar no horizonte.

imagens F1.com

Quem se prevê que tenha dado um grande salto é a Sauber Alfa Romeo que se tornou uma espécie de equipa B da Ferrari. Com um design arrojado na nova asa da frente, e um motor que se pensa ser o mais potente do plantel, a Alfa Romeo pode vir a surpreender este ano. Ao volante vão estar o Kimi Raikkonen e Antonio Giovinazzi, que até aqui era uma espécie de tapa-furos da Fórmula 1.

imagens F1.com

Também com motor Ferrari temos a Rich Energy Haas F1 Team, que leva no seu nome a mais recente bebida energética, tão recente que ainda ninguém viu em lado nenhum. Mantém a dupla de pilotos do ano passado, Romain “bate sozinho e culpa os outros” Grosjean e Kevin “suck my balls”
Magnussen. Com sorte a Haas vai andar a lutar com a Alfa Romeo e Renault, com azar vai andar a lutar com McLaren, Force India e Toro Rosso.

imagens F1.com

Pronta a cimentar a sua quarta posição está a Renault que para este ano contratou o sempre sorridente e o mais acarinhado piloto de F1 dos últimos anos, Daniel Ricciardo. Ao seu lado estará Nico Hulkenberg, pronto para estender o seu recorde de piloto com mais corridas na Fórmula sem um único pódio – 158! A Renault conta este ano com um motor novo, que pelos vistos tem mais 50 cavalos que o anterior. Será que isso chega para chegar perto das 3 equipas da frente? Há muitas dúvidas…

imagens F1.com

Chegamos agora aos 3 da frente. Há quem diga que a Red Bull está a par da Mercedes e a Ferrari está na frente, há quem diga que estão as três separadas e há quem diga que estão as 3 ao mesmo nível! Ninguém sabe! O futuro da Red Bull vai depender do motor Honda, e da capacidade do Max Verstapen de não se esbardalhar todo em alguém. Ao seu lado vai estar Pierre Gasly que acabou de ser promovido à equipa principal.

imagens F1.com

Em equipa que ganha não se mexe. A Mercedes continua com o talentoso piloto/rapper/designer de moda Lewis Hamilton e o seu ajudante Valteri Bottas. Não se sabe muito bem se a Mercedes vais estar bem ao nível da Ferrari, mas é certo que graças a um piloto como o Hamilton, a Mercedes pode mesmo vir a bater-se com a Ferrari na maior parte das corridas.

imagens F1.com

E finalmente chegamos à Ferrari. Quem nos conhece sabe que temos um fraquinho pela marca italiana, e olhando aos testes de pré-temporada e para o carro deste ano, há fortes hipóteses que este seja o ano em que a Mercedes é destronada. Com a saída de Maurizio Arrivabene e a promoção de Mattia Binotto, que já está na Ferrari desde 1995, as coisas parecem bem encaminhadas. Quem também foi promovido foi Charles Leclerc, a grande revelação em 2018 e que este ano pode vir a fazer frente a Sebastian Vettel, que já está há 4 anos na Ferrari sem ganhar nada. Será que é este o ano? Schumacher também esteve 4 anos sem ganhar na Ferrari e depois foi campeão do mundo 5 vezes seguidas.

Ou seja, é tudo uma grande incógnita e a única coisa que se sabe é que as equipas vão andar todas muito mais juntas. Portanto, quem ganha é o espetáculo!

Antes de terminar convém dizer que os carros este ano estão mais rápidos graças às asas traseiras e dianteiras maiores, ainda que estas últimas tenham sido simplificadas para melhorar as ultrapassagens. Também para melhorar as ultrapassagens foi aumentada a abertura do DRS, que nas retas torna os carros muito mais rápidos caso estejam a menos de 1 segundo do carro da frente. Para este ano há também capacetes novos e luvas com sensores biométricos. A nível de regras, agora há um ponto extra para quem fizer a volta mais rápida, desde que termine nos 10 primeiros.

Cá em Portugal também houve alteração nas transmissões televisivas que deixaram a Sport TV e passaram para a Eleven Sports, reduzindo assim o custo para 10€ mensais. Quem não se importar de ter os comentários em inglês, pode sempre poupar uns trocos e aderir à F1 TV por 6€ mensais ou 50€ anuais.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *